quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

A MAR É SER



A MAR É SER.

 Este céu azul reflete nas águas profundas do meu pensamento

Fluidas emoções movimentam 

Como um rio em busca do seu mar

Águas, sentimentos que tensionam as margens

lembranças da minha fonte

Maré baixa, memórias de ondas tristes

Maré alta registros felizes e alegres

Tantos rios desembocam nas águas da minha vida

Portos de vida e de renascimento

Dias de navegante, dias de navegador

Dia de navegar na dor

Adiante marujo, navega em frente

Um dia recebo, percebo

O grande mar onde tudo volta a mar é ser.

3 comentários:

Paula Bastos disse...

Que lindo, Beto. Da pra sentir o balanço do mar quando se lê...

Tati Bastos disse...

Pois é marujo. Navegar é preciso, viver não é preciso! Adorei o poema.

Jamile disse...

Beton! Tuas palavras calam fundo nessa alma canceriana! Mesmo quando a vida dói, o mar não para...os rios cointinuam fluindo...ainda bem! Assim o tempo se encarrega de nos fazer fluir pra outras águas!saudades amigón! abraço!